quarta-feira, 22 de junho de 2011

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: OS PÉS QUE AQUECEM A NEVE QUE ESFRIA A CABEÇA



Vou para a Cordilheira esfriar a cabeça. Ali, onde a neve branquinha entra em contraste com o céu
Azul

da Cordilheira.


Vou para a Cordilheira ficar distante do “zum-zum-zum”, do falatório sem fim.
Minha cabeça-panela-de-pressão com o “tem que fazer isso”, “tem que fazer aquilo”.

Vou para a Cordilheira aquecer a neve com meus pés descalços.

Espero apenas uma choupana gostosa, acolhedora de mim e da criança minha.
Não quero energia elétrica...

Quero lenha acesa no fogão de ferro. Quero cheiro de café sem cafeteira elétrica.
Quero tomar banho de canequinha, ali, perto do fogão de ferro que aquece a choupana acolhedora.


Com a criança minha, correr nua pela neve

com a cabeça perto das nuvens.

Fazer xixi e deixar a neve amarelinha.

Acenar, à distância, para o casal da outra choupana distante
que aquecem minhas fantasias de mulher possível

esquecida e reencontrada na Cordilheira.

Quero distância de gente, da minha gente...
Quero ser gente de outro jeito, diferente.


Queria te trazer uma “lembrancinha” da Cordilheira...
Mas não dá para trazer neve...

A neve só sobrevive na Cordilheira.
Com a criança minha, tentarei trazer um pouquinho de nuvem...

Talvez sobreviva!!!
Talvez...

Até breve!!!

*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34)