quarta-feira, 18 de novembro de 2009

NOTÍCIAS DE LÍMBIA: A AUSÊNCIA PERSPICAZ


O Desencontro há na possibilidade do Encontro. Na Ausência há Vazio.

Conta-se em Límbia - nos momentos em que os Limbianos, em noite ensolarada, festejam seus mitos e folclores – a história de uma Mulher que adoeceu por Esquecimento.

Havia uma Mulher, diz a lenda local, que desejava que o Mundo à sua volta a adorasse, a idolatrasse, a desejasse total e completamente. Queria ela ser o centro de todas as atenções e percepções cabíveis e incabíveis.
Certo dia, como acontecem certos dias, a Mulher se apaixonou por um de seus incansáveis pretendentes.
Coube ao azarado ser depositário então - como cabe normalmente aos azarados, pois que sempre aparece uma dessas moribundas criaturas -, de todos os caprichos, pedidos e desejos da Mulher. Uma lista interminável de solicitações era duramente criticada, posto que a satisfação nunca fosse alcançada, por mais que o desajeitado amante – que vez por outra era até ajeitado – se esforçasse no intento.
Você não gosta de mim o suficiente”, “Você me esquece com frequência”, “Você deixa a desejar nas minhas vontades”, “Me surpreenda, pois que teus agrados são fracos”... E o coitado vivia a escutar e escutar e se esforçar e esforçar e se enforcar.
Um belo dia porém – posto que certos dias são belos, por incrível que pareça -, o rapaz juntou suas forças e teve a idéia de surpreender a Mulher com um jantar.
Marcou data e hora – encontros são com data e hora marcada. Fez o que podia e o que não podia. Armou e se arrumou... Tudo de bom... Tudo de bem...
A Mulher sentia-se em esplendoroso regozijo, pois que enfim teria uma surpresa exclusiva para ela, feita sob medida para seus incansáveis pedidos. E ficou a sonhar e a pensar e a gozar e a delirar com o tal jantar – “Que seja bom”.
Data e hora corretas. O amante a postos. A mesa armada com carinho. Os pratos escolhidos minuciosamente. A cidade inteira convidada a aplaudir e elogiar e brindar a insuportável Princesa.
E o homem esperou e esperou... E o povo esperou e esperou...
Diz a lenda que o rapaz até hoje espera desesperado a Mulher.
E a Mulher? O que se passou?
Em sua expectativa alucinada, a Mulher esqueceu o encontro marcado. Até hoje, na data e hora certas, ouve-se o choro descabelado de uma louca a reclamar com a própria cabeça o ato de ausentar-se do mais importante de todos os encontros.

*DADOS CARTOGRÁFICOS: Límbia é Real sem existir em lugar algum. Faz-se justiça ao cartógrafo Fabio Herrmann que a define: “Isto é Límbia, terra da ficção verdadeira. Límbia não foi inventada. É a própria invenção.” HERRMANN, F. (2002) A Infância de Adão e Outras Ficções Freudianas. Casa do Psicólogo: São Paulo (p.34)